Vindima 2017 na Ravasqueira


Com um verão quente e seco a vindima, este ano, teve lugar cerca de duas semanas mais cedo. A dia 8 de Agosto foram vindimadas as primeiras uvas brancas e no inicio desta semana começou a vindima das castas tintas. Pouco a pouco os hectares de vinha do Monte da Ravasqueira vão sendo vindimados e na adega começa a azáfama e a expectativa em torno dos vinhos desta colheita apesar de todas as dificuldades é positiva.

 

“O ano de 2017 promete. Quantidade acima do ano passado com uma perspetiva de qualidade superior.”

Quem o diz é o Pedro Pereira Gonçalves, Diretor de Enologia e Administrador da Ravasqueira.

 

vindima 2017A vindima é o ponto mais alto do ano para qualquer produtor. Muita gente na vinha e na adega, a animação que se gera em torno da vinha, as pessoas alegram-se e partilham histórias e costumes entre conversas, o calor e os cachos acabados de cortar. É um altura muito rica de troca de experiências e ensinamentos e que culmina nos vinhos a que a vindima dá origem. É também destas histórias, das mãos calejadas e anos de vindimas que os vinhos são feitos. Podemos não nos aperceber mas quando bebemos um vinho não bebemos apenas o resultado da fermentação da uva mas estamos a beber algo que tem origem nesta altura do ano pela mão de muitas pessoas.

Em Arraiolos esperamos uma vindima “mais precoce, começando 2 semanas mais cedo, com uvas com muita frescura aromática.”. Ora, a vindima é o resultado do desenvolvimento da vinha e das uvas ao longo de todo um ano. A vinha passa por vários estados fenológicos até chegar a este ponto alto. Na Ravasqueira, “o ano começou com temperaturas muito baixas que apesar de afetarem algumas zonas do Alentejo com fortes geadas, não se revelaram importantes no terroir da Ravasqueira devido à existência de grandes massas de água ao longo dos vales que circundam a vinha. As noites e manhãs têm apresentado uma frescura invulgar que se perlonga durante toda a manha e que têm contribuindo para um melhor funcionamento das plantas. A ausência de chuva é global, mas as reserva de água das barragens, apesar de estarem  num dos pontos mais baixos de sempre, têm garantido a totalidade da rega necessária à vinha, apesar de não ter o mesmo significado chuva”.

 

Curiosidade

A vindima deve ser realizada no tempo certo, tendo em conta que é a qualidade da uva que dita o momento ideal para a colheita. O momento em que se vindima a vinha dita a concentração de açúcar, álcool e acidez que o vinho pode apresentar e a riqueza em compostos aromáticos e de estrutura. Tanto o clima como o terroir, e o seu microclima, têm grande influência na vindima.

Após a vindima as uvas podem ser conservadas no frio antes de ser  realizado o desengace total ou parcial. Procedendo-se de seguida ao esmagamento também parcial ou total da uva. Segue-se a fermentação, considerado o processo mais importante e complexo na produção do vinho. Nesta fase é fundamental o controlo da temperatura para potenciar toda a qualidade das uvas e os processos de pisa para maior controlo da extração das uvas. Posteriormente o líquido separa-se da parte sólida que é prensada e normalmente este vinho é separado da lágrima.

Após a fermentação dá-se o estágio e posterior engarrafamento. O vinho é armazenado em cubas de inox ou barricas de Carvalho durante a fase de estágio. O tempo de estágio varia consoante o vinho e a sua vinificação. Temos vinhos que estagia mais de 2 anos em barricas de Carvalho e ainda estagiam mais 1 ano em garrafa e temos vinhos que apenas estagiam 6 meses em cubas de inox. Cada vinho tem o estagio que melhor se adequa ao seu perfil.